Ver Para Crer?

O que os Analisadores estão dizendo e como estão dizendo

Os analisadores de espectro são ferramentas muito úteis e muito perigosas. Isso porque transferem para a visão uma análise que a princípio deveria ser auditiva.

É claro que uma ferramenta que nos dê um retorno visual do que está acontecendo no áudio pode ser muito útil, até para avaliarmos se nossa audição está sendo influenciada pelas nossas condições de monitoração.

Só que no mundo real cada ferramenta tem suas particularidades. Cada analisador trabalha de um jeito, embora teoricamente obedecendo aos mesmos princípios. Então, como tudo o mais no áudio, a gente precisa conhecer as particularidades de cada analisador, e lembrar disso na hora de usá-los como nossos avaliadores de qualidade.

O Ruído Rosa

Nosso velho conhecido, o ruído rosa se caracteriza por apresentar um conteúdo médio de energia constante por oitava. Ele compensa o fato de que cada oitava tem o dobro de frequências que a oitava anterior. Assim, ele apresenta pra gente uma audibilidade uniforme para todo o espectro.

Música e Ruído Rosa

Só que a música não é ruído rosa. As frequências não estão ali o tempo todo por igual. O que a gente encontra frequentemente são notas graves mais duradouras e notas agudas mais curtas.

Repare como os graves são longos: baixo, pads, etc. A exceção pode ser o kick da bateria, que é curto e grave, e é por isso que ele se juntar bem ao baixo é tão importante.

Por outro lado, repare como os shakers, hi-hat, etc tendem a ser mais curtos. Como somos mais sensíveis nessa região mais alta do espectro, sons constantes por aí tendem a ser irritantes e mascaradores.

Daí o que vemos comumente é que a informação musical tende a ter uma região mais grave que permanece mais tempo alta e uma região mais aguda que é composta de diversos picos espalhados e curtos. E isso é bem diferente do ruído rosa.

O Analisador como Avaliador

Por isso um analisador que apresente uma resposta ao ruído rosa totalmente plana pode não ser a melhor ferramenta para julgarmos a perfeita distribuição de frequências em nossa música.

É conveniente que a gente compense essa diferença entre música real e ruído rosa pra que nosso objetivo seja uma resposta “plana”, ou como muitos preferem, “flat”.

Só que NEAG (não existe almoço grátis) e isso vai depender de cada ferramenta e até mesmo de cada estilo de música ou de mix. E aí a coisa se complica, é claro.

Respostas ao Ruído Rosa

Aí os projetistas de analisadores optam por ou apresentar uma resposta plana ao RR ou apresentar uma resposta musical mais coerente. Vamos ver alguns exemplos de resposta ao ruído rosa:

Izotope Ozone
Equalizador Nova GE
Waves PAZ

Podemos ver que enquanto o PAZ e o NOVA apresentam respostas planas ao ruído rosa, o Ozone apresenta mais amplitude em direção aos graves.

O fato é que na verdade o Ozone provavelmente é o mais “matemático” deles. O NOVA e o PAZ dão uma adaptada nas curvas para ficarem visualnente mais planas, o que tende a ser mais fácil de trabalhar.

SLOPE e TILT

O parâmetro que vai nos dizer o quanto essa curva é adaptada é chamado de “slope” ou “tilt”. Ele diz o quanto de compensação por oitava estamos usando para que musicalmente a visibilidade do analisador fique mais plana.

Embora esse valor seja apenas um ajuste em dB, cada algoritmo de analisador pode ter um valor particular que ofereça a resposta visualmente mais coerente, porque os cálculos envolvidos são diferentes em cada algoritmo.

Aqui embaixo podemos ver dois exemplos: o FabFilter ProQ3 , que chama esse parâmetro de “tilt” e usa -4,5 por default , e o SPAN da Voxengo que chama de “slope”, e também usa -4,5 por default. Eu ajustei para -3dB para mostrar como ficaria o ruído rosa com essa inclinação.

FabFilter Pro Q3

E na música?

Esse vídeo mostra um trecho de uma música masterizada no início dos anos 1990 – e portanto na era pré-loudness war – e tem uma resposta bastante equilibrada. Admitindo que a master é bem plana, percebam como cada analisador se comporta. Isso pode ajudar a decidir qual o mais útil, lembrando que é sempre uma questão de preferência.

Aaron Neville – Don’t take away my heaven
https://youtu.be/XDsaRyl2qoE
A partir de 3:30

Deixe uma resposta