O Sides Sozinho é Nada

O processamento M/S tem recebido muita atenção ultimamente, porque esse tipo de informação tem se tornado cada vez mais acessível nos plugins.

O curioso é que no lado da gravação, esse tipo de preocupação vem de uma época em que ser compatível entre mono e estéreo era fundamental, o final dos anos 1950.

Só que ainda existem situações onde a audição é mono, principalmente o falante de muitos celulares, por exemplo. E aí, como a tecnologia anda em círculos, voltou a ser importante a gente saber como o nosso trabalho vai soar em um falante só.

O Que É M/S

O nome mid/sides é na verdade um mnemônico, um jeito simples de falar desse tipo de codificação.

O fato é que o canal M é na verdade a soma dos dois lados do estéreo. As ondas , como todos sabem possuem trechos negativos e positivos. Então nessa soma irão aparecer as coisas que interagem construtivamente. Esse canal deveria se chamar na verdade SOMA, e como o nosso resultado são dois canais, a gente divide ele em dois, pra ouvir nos dois falantes.

O canal S é então a subtração entre L e R. Ele reúne tudo o que há de diferente entre os dois lados do estéreo. Da mesma forma, vamos a partir dessa informação gerar dois canais para mandar aos falantes. Esses dois canais são iguais e com polaridades opostas. Dessa forma poderemos reconstruir o estéreo original.

Em resumo:

M = L + R

S = L – R

OBS: para que as coisas funcionam algebricamente, na verdade as fórmulas devem levar em conta os ganhos resultantes e seriam M = (L+R) – 3dB e S = (L-R) -3dB, mas todo mundo pegou o espírito da coisa.

Um dos Segredos

A coisa curiosa com o M/S é que embora o lado S contenha a informação, digamos, lateral do estéreo, ele não nos informa nada sobre de que lado está vindo cada coisa!!

Algo que venha só do lado direito irá estar com polaridade positiva do lado direito e negativa do lado esquerdo, mas dos dois lados do S ele aparece com a mesma intensidade.

Teste prático. Ouvindo no master apenas a informação S, toque apenas um canal mono girando todo pra esquerda. Ele vai aparecer com força total no S. Agora nesse canal vá girando o pan em direção ao centro. O volume dele no S irá baixando até sumir, quando chegar no centro. Continue girando para a direita e veja que o som volta a ser o mesmo que havia do lado esquerdo. Na verdade agora os lados têm sinais opostos aos que tinham antes, mas nossos ouvidos não conseguem detectar esse tipo de coisa. Confira no vídeo. Nele um canal mono sai do L e vai em direção ao R. Ouvindo apenas a informação S.

Ou seja, dispor apenas do S só nos informa o que é diferente entre L e R e não informa qual lado é mais alto. Para sabermos de que lado vem uma coisa precisamos combinar S com M .

É por isso que o título desse post diz que O Sides Sozinho É Nada. Porque se a gente junta os dois canais, como eles são iguais e com polaridade oposta, dá zero.

Visualizando a Gravação

Na figura temos o que acontece quando gravamos em M/S. Um mic cardioide olhando pra frente e um bidirecional olhando pros lados. Vamos gerar três canais: o meio, que é apenas o cardioide, o esquerdo, que é o bidirecional, e o direito, que é o bidirecional com a fase invertida.

Vamos imaginar que venha um som somente da frente (obviamente é uma simplificação pra ajudar a gente a entender):

Esse som atinge o bidirecional empurrando os dois lados da cápsula em direção oposta, e a resposta desse mic é zero. Só o cardioide atua.

Agora, imaginemos um som que vem da esquerda:

O lado esquerdo e o cardioide estão em fase, e na soma dos três canais, o som vai soar à esquerda.

Para um som vindo do lado oposto,

Agora é o lado com polaridade invertida que estará em fase com o caridoide, e o som da combinação dos três canais soa à direita.

Para os sons mais reais, que são casos intermediários, a variação é proporcional.

Assim fica claro que para a gente situar de que lado vem uma informação, precisamos de uma combinação das informações de M e S. Apenas o S não vai nos dizer isso.

Deixe uma resposta